Temos escutado que no ano de 2016 aconteceu de tudo. Realmente esse foi um ano de altos e baixos no qual muitas pessoas se viram em situações difíceis. Diante de tantos acontecimentos estamos vivendo uma onda de descredibilidade e desmotivação. Muitos perderam seus empregos, estão sem receber ou passam por problemas em suas famílias, ficando difícil impulsionar-se para tentar algo novo. É nesse momento que bate o desanimo e a desmotivação que nos traz a sensação de que tudo está dando errado e que se está em um ciclo sem fim de azar.

Mas como é possível superar tal desanimo e motivar-se para mudar o que não está bom?

O que é motivação?

Existem inúmeras pesquisas e teorias que tentam explicar de onde vem essa força que leva as pessoas a moverem-se em prol de um objetivo.

Os fatores que levam uma pessoa a se direcionarem para um determinado objetivo podem ser de ordem intrínseca (interno) ou extrínseca (externo). Segundo Bergamini (1989) quando tais fatores são internos estamos falando de motivação, porém quando são externos existe apenas um movimento ou satisfação.

Por vezes o desejo que nos move para realizar algo está ligado a uma possível punição ou recompensa, nestes casos tal desejo não partiu diretamente da pessoa, mas sim de um incentivo externo. Caso não houvesse a punição ou a recompensa a pessoa não se interessaria por tal caminho, o desejo só permanece enquanto os estímulos estão presentes (BERGAMINI, 1989). Por exemplo, às vezes permanecemos em um emprego que não gostamos apenas pelo medo de perde-lo e assim ficarmos sem uma renda fixa.

Porém, quando falamos de um impulso interno (fator intrínseco) existe uma necessidade interior que leva a uma vontade própria de realizar algo, nesse momento falamos da motivação.

A motivação, por sua vez, dura enquanto a necessidade interior não for suprida. De maneira oposta ao desejo estimulado pelo fator externo, quando se supra essa necessidade interna surge um sentimento de estima e auto-realização que o predispõe a continuar a realizar coisas novas e a concretizar novas potencialidades. Como quando nos lançamos em um negócio próprio que mesmo com os problemas nos motivamos a continuar empreendendo.

O psicólogo pode me deixar motivado?

Vimos que a motivação é uma energia particular e interior de cada indivíduo que o leva espontaneamente a realizar seus objetivos. Portanto, não é possível o psicólogo motivar uma pessoa, porém é possível que o mesmo crie condições para que a pessoa encontre a sua energia interior.

Através de ferramentas psicoterápicas o psicólogo auxiliará a pessoa a buscar um auto-conhecimento para assim entender o que realmente a move para novas realizações e muitas vezes a descobrir que o caminho que insiste em seguir e que no qual não vê resultados, só decepção, não é de fato um desejo interno e genuíno, mas sim uma imposição de algum fator externo.

 

REFERÊNCIAS:

Bergamini, CW. (1989). Motivação. São Paulo, Atlas, 2ª ed.

Bueno, M. (2002). As teorias de Motivação Humana e sua contribuição para a empresa humanizada. Revista do Centro de Ensino Superior de Catalão – CESUC – Ano IV – nº 06 – 1º Semestre.

2 Comentários. Deixe novo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu